CATEGORIAS DICAS FILMAGEM

FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA

4 de julho de 2018

author:

FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA

Fala galera! Quantas vezes você já não foi no cinema e se encantou com uma cena, ou com uma sequência, ou por que não com um filme inteiro, oras! Pois é. Existem muitos conceitos que estão por trás da linguagem cinematográfica e criam toda uma estética de expressão rica e feita para capturar a atenção do público de maneira natural.

Confira abaixo no OZI Labs alguns conceitos, ideias e provocações para entender essa linguagem bastante utilizada para se expressar e decodificar essas mensagens, observando com elas são utilizadas em diversos exemplos reais da história do cinema mundial.

Unidades Fílmicas da Linguagem Cinematográfica

Assim como na língua falada, onde usamos letras, fonemas, palavras e frases completas, na linguagem do cinema existem também unidades formadoras que constituem essa gramática audiovisual. Conheça algumas delas abaixo:

PLANO

Intervalo existente entre dois cortes. Compreende tudo o que acontece entre um corte e outro.

CENA

Plano ou conjunto de planos situados no mesmo local e que se desenrolam em um espaço de tempo determinado.

SEQUÊNCIA

Cena ou conjunto de cenas que formam uma unidade narrativa distinta, ou seja, a pontuação de uma pequena história dentro do grande arco dramático que é o filme.

PLANO-SEQUÊNCIA

Unidade narrativa distinta que se desenrola em um único plano. É uma pequena história inteira contada dentro de um único plano, sem cortes. Este recurso é muito utilizado para trazer o espectador ao tempo do filme, uma espécie de simulação da realidade.

O diretor Alfonso Cuáron afirma que, sempre que você corta, você está lembrando o seu espectador de que aquilo que ele está assistindo é um filme, que é diferente da vida real. Sua proposta, portanto, é criar no público maior veracidade ao plano-sequência.

Nomenclatura de enquadramentos no set de filmagem

Essas nomenclaturas não definitivas, nem são regras escritas em pedra, ou seja, podem ser chamadas de diversas formas. O importante é que a equipe chame os enquadramentos da mesma forma e fale a mesma língua, para facilitar o trabalho no set.

Outro ponto importante de entender é uma regra atribuída a Alfred Hitchcock: o tamanho das coisas no quadro é proporcional à sua importância na história naquele momento.

Por isso, o ponto de referência é o tamanho dos personagens dentro do enquadramento. Veja abaixo dos principais enquadramentos utilizados no cinema:

Grande Plano Geral

Os personagens aparecem pequenos em meio à uma grande paisagem. Neste momento da narrativa, o plano quer valorizar o ambiente, não os personagens. Serve para mostrar ao público onde a ação que vai se desenrolar está acontecendo.

Plano geral

Os personagens já aparecem maiores, embora ainda seja mais valorizado o cenário do que os personagens. Este enquadramento funciona para situar o público na geografia da ação.

Plano médio

Corta o personagem na altura da cintura para que o ator apareça maior e mais presente. É interessante para mostrar de forma mais próxima a expressão dos atores e o comportamento dos personagens, ainda dando uma noção onde os personagens estão inseridos.

Plano americano

Este enquadramento recebe esse nome por ser muito utilizado nos filmes de faroeste. Uma variação do plano médio, corta o personagem um pouco acima dos joelhos, mostrando um pouco da expressão e parte da ação.

Primeiro plano

Corta na altura do peito do personagem. Não valoriza mais o cenário, mas foca na expressão e no rosto do personagem.

Close-up

Neste enquadramento, rosto e expressão do personagem são elevados à potência máxima. Muitos especialistas dizem que neste enquadramento é possível definir quem realmente é um bom ator.

Plano-detalhe

Super fechados em elementos ou objetos específicos da cena.

Plano conjunto

Enquadramentos onde existe mais de um personagem. Ideal para diálogos ou interações físicas de forma mais realista. Sensação de realidade e presença.

Plongée

Enquadramento de cima pra baixo. Diminui o personagem e transfere a ele uma certa sensação de impotência, sem controle da situação.

Contra-plongée

Enxergando o personagem de baixo pra cima e conferindo imponência, força.

Over the shoulder

Enquadra o personagem centro da atenção por cima do ombro de outro personagem. Certamente um enquadramento ideal para diálogos, dando atenção a um personagem específico dando referência a ações, reações e localização do espaço do outro personagem com o qual o principal está interagindo.


E aí curtiu? Lá no nosso canal do YouTube tem muito mais conteúdo como esse para você aprender e conhecer mais a fundo. Por fim, comente aqui embaixo se já conhecia alguns destes conceitos ou se já trabalhou em alguma produção em que eles foram utilizados.

Até a próxima, pessoal!

Deixe o seu comentário